Notas de uma etnografia entre educadoras/es musicais em formação: da promoção à precarização de uma política pública

  • Vânia Müller Universidad del Estado de Santa Catarina

Resumen

Este texto é uma descrição reflexiva de momentos e aspectos da inserção de licenciandas/os em música na ambiência sonoro-musical de uma comunidade escolar, onde atuávamos com a política pública federal PIBID, de 2014 a 2019. Procuro evidenciar o princípio ético-político que acompanhava os planejamentos e práticas musicais: a busca de alteridade sistêmico-cultural e pedagógica no tempo-espaço das oficinas de instrumentos musicais, de canto e na Orquestra Experimental. A pesquisa que gerou as informações aqui trazidas aponta os êxitos dos objetivos do programa, e também as suas fragilidades, na interface de alguns pressupostos do neoliberalismo. A narrativa é constituída de trechos de relatórios e diários de campo que também trazem a autoria das e dos licenciandas/os.

Biografía del autor/a

Vânia Müller, Universidad del Estado de Santa Catarina

 

 

 

 

Citas

Batista, L. M. (2018). Educação Musical, relações étnico-raciais e decoloneidade: tensões, perspectivas e interações para a Educação Básica. Orfeu, 3(2), 111-135.
Bourdieu, P. (2008). A Distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: ZOUK; São Paulo: EDUSP.
Bourdieu, P. (2009). O Senso prático. Petrópolis: Vozes.
Cullen, c. (2004) Perfiles ético- políticos de la educación. Paidós. Buenos Aires.
Chauí, M. (2016). Ideologia neoliberal e universidade. In: Rocha, André (org.). A ideologia da competência. Belo Horizonte: Autêntica. pp. 85 – 112. 221p.
Dumont, L. (2000). O Individualismo: uma perspectiva da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Editora Rocco.
Dumont, L. (1997). Homo Hierarquicus: o sistema de classes e suas implicações. São Paulo: EDUSP.
Elias, N. (1982), Sociologia Fundamental. Barcelona: Gedisa, 1982. 216 páginas.
Freire, P. (2015). Educação como prática de liberdade.Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, P. (2019). A pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 62ª ed. – Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra.
Gentili, P. (1995). Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: Silva,T. T; Gentili, P. Escola S. A.: Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo.São Paulo: Editora CNTE.
Guattari, F. (1993). Da produção de subjetividade. In: Parente, A. (org.) Imagem Máquina: a era das tecnologias do virtual. São Paulo: Editora 34, p.177-191.
McLaren, P. (1997). Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez.
Müller, V. B., Schmidt, B. W., & da Silva, E. C. (2015). Pensamento crítico e apropriação teórica em Educação Musical: o Projeto Carnavália.XXII Congresso Nacional da ABEM, 2015, Natal. XXII Congresso Nacional da ABEM.
Ortega, V. (2012). Una cartografía sobre la escuela en Colombia desde la perspectiva de la pedagogía crítica. Revista Espacios en Blanco - Serie indagaciones - Nº 22 - Junio (113-141).
Pellanda, N. M. C. (2001). À guisa de introdução: reflexões sobre neoliberalismo e subjetividade. MCLAREN, Peter. A pedagogia da utopia. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 7-27.
Queiroz, L. R. S. (2020). Até quando Brasil? perspectivas decoloniais para (re) pensar o ensino superior em música. Proa: Revista de Antropologia e Arte, 2(10).
Schafer. R. M. (2009). Educação Sonora. São Paulo: Melhoramentos.
Schafer. R. M. (2011). A afinação do mundo. São Paulo: Editora UNESP.
Small, C. (1989). Música, sociedad, educación. Madrid: Alianza Editorial.
Small, C. (1999). El musicar: um ritual em el espacio social. Revista Transcultural de Música, v. 4, jan. 1999. Disponível em /www.sibetrans.com/trans/trans4/indice4.htm>. Acesso em: 30 ago. 2019.
Publicado
2022-06-11
Cómo citar
Müller, V. (2022). Notas de uma etnografia entre educadoras/es musicais em formação: da promoção à precarização de uma política pública. ESPACIOS EN BLANCO. Revista De educación (Serie Indagaciones), 2(32), 187-197. Recuperado a partir de https://ojs2.fch.unicen.edu.ar/ojs-3.1.0/index.php/espacios-en-blanco/article/view/1310